Quando devo dizer não para os filhos?

Muitos pais consideram um martírio negar alguma coisa para os seus filhos, principalmente os pais de primeira viagem. Na lógica, se tenho os recursos para atendê-los, por que não satisfazê-los? Saiba que às vezes, por mais difícil que seja, é essencial colocar limites nos pequenos. Mas afinal, quando devo dizer não para os meus filhos?

Primeiramente, é importante que você tenha consciência que ser pai ou mãe é muito mais que realizar todos os desejos e vontades dos filhos. Ou se desdobrar para que eles não se sintam frustrados. Ser pai e mãe é se colocar responsável sobre a vida social deles. Digo isso no sentido de que a educação infantil vai interferir no relacionamento social da criança na fase adulta.

Por exemplo: Se você acostuma seu filho a ter tudo que ele quer, na hora que ele quer, ele vai crescer achando que não existem limites para suas vontades e ele, consequentemente, não irá respeitar o próximo. Afinal, como aceitar alguma derrota? Algum não? Se nunca lhe foi ensinado que não podemos ter tudo ao mesmo tempo.

Seus filhos precisam aprender que suas atitudes têm consequências e que elas não podem fazer tudo o que quiserem. Crianças que não suportam receber um “não” vão ter dificuldade para se adaptar à escola, ao mercado de trabalho, terão dificuldade de se relacionar e serão pais e mães impotentes perante seus filhos.

No post de hoje separei algumas dicas que vão te ajudar a impor limites nos seus filhos. Vou te ensinar a criar um equilíbrio entre o “querer” e o “poder”, sendo assim, a criança vai crescer sabendo que nem tudo na vida chega de mão beijada, pelo contrário, na maioria das vezes precisamos lutar pelo o que desejamos e, as vezes, podemos não conseguir o que queremos. Veja:

  • Satisfazer as necessidades das crianças é uma obrigação dos pais. No entanto, é preciso distinguir o que é realmente necessário e o que é supérfluo. Isso serve para treiná-los para a vida real, em que precisamos enfrentar frustrações e respeitar limites. Desta forma, é melhor aprender com os pais, em casa, em um ambiente no qual são amadas e se sentem protegidas.
  • Saber dizer “não” não significa que é preciso negar tudo ou toda hora. É importante analisar os pontos realmente importantes: Não brincar na hora da comida? Não ficar acordado até mais tarde? Não fazer atividades que colocam em risco a segurança da criança? Algumas coisas devem estar bem claras, mas coisas menores podem ser consideradas.
  • Seja firme e coerente. Não adianta você dizer não para o seu filho e alguns minutos depois mudar de ideia. Ou então dizer não hoje e amanhã mudar de ideia por estar cansada ou cansado de tanto a criança insistir. Ela só vai aprender se você for coerente ao tomar a decisão.
  • Cuidado com as birras! Os pais normalmente têm muita vergonha das birras em público e as crianças usam isso para inverterem o jogo. A melhor alternativa para isso é levar a criança para um local mais privativo, olhá-la nos olhos e dizer o que ela precisa fazer. Lembre-se de transmitir firmeza no tom de voz e manter a linguagem clara. Em seguida, distraia a criança com outra coisa ou atividade.
  • Não deixe que a criança manipule a situação. É normal que uma criança peça para o pai quando a mãe diz não, ou vice-versa. Para isso, os pais precisam estar de acordo e tomem a atitude juntos.
  • Em certas situações, a criança não leva a sério o seu “não”. Por isso, é importante que você fique de olho nos seus filhos, para saber se eles estão cumprindo sua ordem. Eles podem achar que você não vai se importar caso já estejam fazendo tal atividade. Neste caso, não volte atrás. Se for preciso, reafirme sua posição em tom sério e firme.
  • Não seja intolerante! É claro que seu filho vai ficar com raiva após receber um não. É seu papel respeitar essa raiva, pois também faz parte da educação. Com o tempo ele vai aprender a lidar com os “nãos”.
  • Não se deixe levar pela culpa, achando que por não passar tempo suficiente com os filhos (por trabalhar fora, por exemplo) deve fazer suas vontades. O seu papel é fazer valer o tempo disponível, mesmo que seja pouco. Dê atenção por completo à criança e justifique sua ausência.

Não se deixe influenciar pelos outros! Os filhos costumam dizer: “Mas todo mundo tem” ou “O pai do meu colega deixou”. É importante deixar claro por que você está dizendo aquele “não” e por que você não concorda com a maioria dos pais.

Se você quiser aprender mais sobre comportamento infantil, cadastre seu e-mail para receber materiais exclusivos. Se você tiver alguma dúvida pontual, comente usando o formulário abaixo e eu irei te responder assim que possível.

Sobre Antônio Carlos

Antônio Carlos Nantes de Oliveira é especialista em comportamento infantil.

Autor do livro “Manual da Mudança Comportamental Passiva” e fundador do site Eduque Seu Filho. Já ajudou centenas de pais e mães a superarem os desafios de se educar e criar seus filhos, em mais de 38 anos de atuação na área comportamental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>